Conheça o
Dr. Lucas Santana Passos

Especialista em ajudar mulheres que sofrem com Endometriose, Miomas, Cistos, Pólipos, Distúrbios Hormonais, Incontinência Urinária, Prolapsos, dentre outras doenças ginecológicas, a recuperarem sua qualidade de vida e autoestima através do tratamento humanizado e individualizado seja ele clínico ou cirúrgico.

Titulado em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologistas e Obstetras (FEBRASGO) RQE 2901, com área de atuação em Endoscopia Ginecológica (Cirurgia minimamente invasiva-Laparoscopia e Histeroscopia) RQE 4007.

Preceptor da Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (HUUFMA)

Diretor do Núcleo de Endometriose do Maranhão (NEM) e Associado à Sociedade Brasileira de Endometriose (SBE).

CRM-MA 7341 TEGO 0238/2017

    Tratamentos e Especialidades

    LAPAROSCOPIA

    A via laparoscópica para cirurgia ginecológica é realizada através de 3 a 4 portais com pequenos cortes na pele de 0,5 cm. Com a utilização de uma câmera e pinças cirúrgicas é possível a realizar a cirurgia com visualização dos órgãos da pelve com mais riqueza de detalhes e nitidez que as cirurgias convencionais abertas. Essa técnica permite recuperação mais rápida, menos dor no pós operatório, diminui o tempo de internação, riscos de infecções e hemorragias, assim como retorno mais rápido do paciente as atividades diárias. Além de ser a cirurgia mais adequada para endometriose. Em Ginecologia pode ser empregada para: Histerectomia (retirada do útero) Miomectomia Cistos de ovário Endometriose Laqueadura tubária Gravidez ectópica

    MIOMAS UTERINOS

    Miomas uterinos são os tumores pélvicos femininos mais comuns e são a causa de muitas histerectomias (cirurgia para retirada do útero). Acomete mulheres na idade reprodutiva, com história famliar positiva e é mais prevalente em mulheres afrodescendentes do que em brancas (2 a 3 vezes). Os sintomas quando presentes, estão relacionados a sua localização nas camadas do útero: mioma_edited.jpg Sangramento menstrual intenso e prolongado —> submucosos/ intramurais Dor pélvica, dor na relação sexual —> miomas volumosos principalmente intamurais/ subserosos Infertilidade ou complicações obstétricas —> submucosos/ intramurais A suspeita diagnóstica é feita pela história dos sintomas atrelado ao exame físico e confirmado pelos exames de imagem (ultrassom/ ressonância). Estes são capazes de determinar o número, tamanho e localização dos miomas. ​ O tratamento pode ser clínico com uso de anticoncepcionais e/ou anti-inflamatórios, mas o tratamento definitivo, quando indicado, deve ser cirúrgico com a retirada apenas dos miomas ou retirada completa do útero. A via de abordagem (cirurgia laparoscópica, histeroscópica ou aberta) também depende da localização, tamanho e número dos miomas. Para alguns casos específicos pode ser realizado ainda a embolização como opção terapêutica. Observação importante: Nem todo caso de mioma necessita de tratamento cirúrgico e o risco de transformação maligna é mínimo. Procure um médico especialista para conversar sobre o seu caso e decidir o melhor tratamento para você.

    HISTEROSCOPIA

    Histeroscopia é um método de diagnóstico e tratamento de doenças que acometem a cavidade uterina como: Pólipos Miomas submucosos (localizados dentro do útero) Sinéquias (aderências intra-uterinas) Investigação de infertilidade Espessamento endometrial Sangramento uterino anormal Inserção e retirada de DIUs Com a utilização de uma câmera acoplada a equipamentos finos, é possível entrar na cavidade do útero através da vagina sem cortes. Dessa forma, as alterações detectadas durante a consulta e no exame de imagem são identificadas e tratadas no mesmo momento. É um procedimento de baixa complexidade, com rápida recuperação, realizado em regime de day hospital o que significa que a alta hospitalar ocorrerá em poucas horas após a cirurgia. Outra vantagem da via é o curto tempo de retorno às atividades diárias que acontece por volta de 1 a 3 dias da sua realização.

    SAÚDE DA MULHER

    A visita anual ao ginecologista vai além da realização de um check up ou coleta de exames. É o momento de entender o funcionamento do seu corpo para decidir o que é melhor para você em cada fase da sua vida e detectar o que não está normal. Durante a consulta ginecológica é possível abordar temas como: Sexualidade Contracepção Terapia de reposição hormonal Distúrbios menstruais Avaliação pré-concepcional Realizar o rastreio de Câncer de Colo Uterino por meio do Preventivo e Colposcopia.

    VOCÊ SOFRE COM CÓLICAS TODOS OS MESES?
    QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI!

    Cólica intensa, dor na relação, dores pélvicas fora do período menstrual podem ser indícios de Endometriose. 10 a 15% das mulheres em idade fértil sofrem com esse problema e, muitas vezes, passam anos sem diagnóstico.

    A endometriose é caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga. Existem mulheres que sofrem dores incapacitantes e outras que não sentem nenhum tipo de desconforto.

    Entre os sintomas mais comuns estão:
    • Cólicas menstruais intensas e dor durante a menstruação;
    • Dor pré-menstrual;
    • Dor durante as relações;
    • Dor difusa ou crônica na região pélvica;
    • Fadiga crônica e exaustão;
    • Sangramento menstrual intenso ou irregular;
    • Alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação;
    • Dificuldade para engravidar e infertilidade.

    A dor da endometriose pode se manifestar como uma cólica menstrual intensa, ou dor pélvica/abdominal à relação, ou dor “no intestino” na época das menstruações, ou, ainda, uma mistura desses sintomas.

    O diagnóstico da endometriose é feito por meio de um exame físico detalhado associado a história clínica (incluindo a investigação dos sintomas citados acima), em alguns casos são necessários exames específicos, dentre eles o ultrassom transvaginal com preparo intestinal e/ou a ressonância da pelve com um mapeamento específico para Endometriose.

    A boa notícia é que Endometriose possui tratamento que pode ser medicamentoso, cirúgico ou combinado e essa decisão deve ser tomada em conjunto com o médico especialista, respeitando sempre os desejos da mulher, inclusive os desejos reprodutivos, pois muitas mulheres descobrem a endometriose quando estão tentando engravidar e não conseguem.

    Se você possui qualquer um desses sintomas deve ser avaliada por um especialista, tendo em vista que a demora no diagnóstico e o retardo no tratamento especializado podem trazer sequelas graves e até comprometer o futuro reprodutivo.

    Dr. Lucas Santana Passos






    Agende sua Consulta